Esta semana retomei os estudos de chinês. Segundas, quartas e sextas tenho aula com uma professora particular para corregir a pronúncia, praticar conversação e sanar dúvidas concernentes à gramática chinesa. Diariamente, tenho praticado a escrita a fim de poder memorizar mais facilmente os caracteres. A memória auditiva já não é tão eficiente quanto antes e, portanto, percebi que recordo melhor as palavras quando as leio ou escrevo.

Abaixo, estão listados os primeiros 50 ideogramas dos 798 que fazem parte, da série de quatro volumes, do livro GATEWAY TO HSK CHARACTERS – TRACING BOOK A 甲级. Comprei este material há quase dois anos e, desde então, ele andava esquecido na gaveta. A meta é terminá-lo em dois meses, visto que já conheço boa parte dos ideogramas desse volume, porém não domino os tons e ainda tenho dúvidas quanto à grafia correta do pinyin de alguns deles.

啊矮爱安八把爸吧白百
摆班般搬板办半帮包饱
报抱杯北备倍被本比笔
必边变便遍表别病播不
布步部擦才彩菜参操草


Livro de exercicios de escrita chinesa
para quem quer prestar o HSK


Assassinando a escrita chinesa (dia 1)


Assassinando a escrita chinesa (dia 2)

Assassinando a escrita chinesa (dia 3)

Assassinando a escrita chinesa (dia 4)

Para intensificar os exercicios me muni de diversos apetrechos de guerra – estou decidido a vencer essa batalha: Chinese in a Flash (4 volumes), da editora Tuttle, dicionário eletrônico, Ipad e diversos sites (www.ourdic.cn, http://www.cb.kingsoft.com, www.yellowbridge.com e http://www.mdbg.net/chindict/chindict.php). Chinese in a Flash é uma excelente ferramenta. Cada caixa contêm 448 cartões, ou seja, ao total são 1792 ideogramas para serem estudados, os quais , segundo exemplos oferecidos (quatro para cada cartão), que, mesclados entre si, formam mais de quatro mil palavras – o suficiente para se poder ler um jornal, revista ou livro.

Como pode ser visto na foto abaixo, o Ipad serve para exercitar a escrita, possibilitando a qualquer momento esboçar traços – no meu caso, garranchos – com o intuito de se manter sempre fresco na memória aquilo que se está aprendendo. Embora os cartões da Chinese in Flash mostrem a ordem de escrita do caracteres, costumo usar um excelente dicionário online, o 中华在线词典 (www.ourdict.cn), que funciona somente no modo chinês da opção de idiomas do painel de controle. Quase todas a entradas desse dicionário tem a ilustração da ordem da escrita chinesa. No entanto, serve apenas para quem tem um nível avançado – ou curiosidade aguçada – do mandarim, pois ele é totalmente em chinês.. O Yellow Bridge (www.yellowbridge.com) trata-se de um site completo, que abarca até mesmo a parte etimológica do idioma, e apresenta a versão tradicional do ideograma. Por último, e não por isso o menos importante, como se diria em inglês, o Iciba.com (http://www.iciba.com).  Pertencente a empresa Kingsoft, que além de dicionários eletrônicos, desenvolve programas de antivírus. O site serve tanto para estrangeiros aprenderem chinês, assim como para chineses conhecerem melhor a língua de Shakespeare. Num post futuro, volto a tratar desses sites de maneira mais detalhada.


Arsenal militar para dominar os monstros (ideogramas):
Ipad, dicionario eletrônico da 步步高 (Bubugao), flashcards e

sites (www.ourdict.cn, http://www.cb.kingsoft.com,
http://www.yellowbridge.com e http://www.mdbg.net/chindict/chindict.php)

Virei fã da marca 步步高 (Bubugao) desde que adquiri um 电子词典 (dicionário eletrônico) 9688, o qual usava não somente para consultar palavras, mas também para praticar a escrita, visto que costumava copiar manualmente textos em chinês para salvar na máquina e, posteriormente, lê-los checando o significado dos termos que desconhecia. Felizmente, esse mágico aparelho tem uma função que permite apenas selecionar a palavra para ver sua correspondência em inglês. Se a busca por cursos de mandarim seguir a passos largos, acho que seria a hora de alguma empresa brasileira propor uma parceria com a Bubugao, adaptando o produto para o nosso mercado. Os chineses utilizam essa ferramenta de aprendizagem eletrônica para estudar o inglês, mas serve igualmente para ser usado na via oposta: estudar o chinês.
Apôs três vezes tê-lo esquecido em aviões e o conseguido recuperar, acabei por o perder de vez num vôo recente que fiz. Como não consegui encontrar o 9688 disponível no mercado, tive que optar pelo E900, que é mais moderno porém não é tão bom quanto o 9688, o qual possui um identificador de escrita mais eficaz. A vantagem desse meu novo companheiro eletrônico é a gama de dicionários que ele oferece: inglês-chinês, francês-chinês, alemão-chinês, coreano-chinês, japonês-chinês, turco-chinês,espanhol-chinês, russo-chinês, italiano-chinês e vice-versa. A maior população do planeta está se armando para descobrir o mundo. Evoé, Marco Polo!


吉森 [jisen] – aproximação sonora de meu nome, Gilson

explicação detalhada dos caracteres

Admirador da cultura chinesa, tenho me esforçado para desmistificar e diminuir as distâncias entre esses dois países promissores perante o atual cenário econômico mundial: Brasil e China. Estudo mandarim desde 1997. Autodidata, acredito que não existam atalhos para o conhecimento. Não obstante, o exercício da aprendizagem, em si, e a perseverança encurtam caminhos, aumentam a concentração e tornam o percurso como o de um passeio matinal ensolarado. Além de atuar como tradutor-intérprete, sou consultor e intermedio negócios na área de importação-exportação.

0 comentário em “Tempo de Aprender

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: