Notícias e política

MAIS PERTO DA GIGANTE CHINA


MAIS PERTO DA GIGANTE CHINA

    Carlos Caboclo visita o país que mais cresce no planeta para levar a marca do São Paulo e gerar novas receitas

     As previsões indicam que a China se tornará dona da maior economia do mundo em 2027. O gigante país oriental já é o mais populoso e o que mais cresce. Atento aos indicadores tão positivos, o São Paulo está estreitando as relações com os chineses e o vice-presidente de relações internacionais do clube, Carlos Caboclo, esteve 45 dias por lá, entre setembro e outubro.

     “Queremos por um pé ou se possível os dois na China”, reconhece Caboclo, que já foi diretor de futebol tricolor e teve participação fundamental na contratação de Telê Santana, em meados de 1990. “Poderemos levar a nossa escola de futebol e alguns jogadores jovens para participarem em campeonatos em Macau e na China”, explica o dirigente.

     Em outras palavras, a intenção é incrementar a notoriedade do São Paulo na China, impulsionando o desenvolvimento da prática e do interesse pelo futebol profissional no país, por meio da captação de investidores dispostos a explorar o know-how tricolor. “Deveremos receber em abril a visita de David Wang, um magnata que é dono do Shenyang Dongjin FC., para avançarmos algum tipo de negociação”, conta.

DSC06899

     Caboclo levou mais de 70 quilos em produtos do Tricolor à China. Foram bonés, chaveiros, adesivos, bandeiras, faixas, camisas… “Estendemos a faixa do São Paulo em várias cidades e os chineses paravam o que estavam fazendo para tirar fotos com ela”, comemora o vice-presidente de relações internacionais, que é sócio do Tricolor desde 1969. Ao serem informados de que Kaká e Cafu nasceram para o futebol no Morumbi, os chineses se encantavam.

     Caboclo representou o São Paulo no Brazilian Day, encontro para brasileiros que foi realizado em setembro, na cidade de Xangai. “Distribuímos centenas de presentinhos para o pessoal. Até o cônsul-geral do Brasil em Xangai subiu ao palco dos shows usando o boné do Tricolor.” O cartão escrito em chinês que apresentava o São Paulo também fez sucesso e foi bastante disputado.

DSC07021

      Em suas visitas ao país mais populoso do planeta, Caboclo passou por Xangai, Shenyang, Chitang, Macau, Guangzhou, Yiwu e Wuxi. O dirigente contou com a acolhida de seus amigos Gilson Rosa e Andréia Rosa durante toda a permanência na China. Ana Paula, filha do conselheiro são-paulino Celso Magalhães, também acompanhou Caboclo em algumas das paradas. “Foi muito legal. Participamos de conferências, demos entrevistas em rádios, jornais e TVs e deixamos a marca do São Paulo bem mais conhecida por lá”, finaliza Caboclo.

Admirador da cultura chinesa, tenho me esforçado para desmistificar e diminuir as distâncias entre esses dois países promissores perante o atual cenário econômico mundial: Brasil e China. Estudo mandarim desde 1997. Autodidata, acredito que não existam atalhos para o conhecimento. Não obstante, o exercício da aprendizagem, em si, e a perseverança encurtam caminhos, aumentam a concentração e tornam o percurso como o de um passeio matinal ensolarado. Além de atuar como tradutor-intérprete, sou consultor e intermedio negócios na área de importação-exportação.

1 comentário em “MAIS PERTO DA GIGANTE CHINA

  1. Pingback: Sobre Mim: Tradutor-Intérprete Português-Chinês (Mandarim) | A Lira do Mercador Chinês

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: